Siempre se vuelve a Buenos Aires

Depois de alguns anos sem visitar a capital portenha, decidimos ir a Buenos Aires e vê-la com novos olhos: de bicicleta.

 

Não fomos para fazer “um pedal”, mas sim viver a cidade e o que ela tem de bom utilizando a bike para nos movimentar e chegar aos locais que desejávamos.

Parque do Rosedal

E por ser predominantemente plana, Buenos Aires é perfeita para esse tipo de passeio.

Floralis Generica

Nos hospedamos na região central da cidade e dali partíamos para os diversos pontos de interesse, que não eram necessariamente os pontos turísticos clássicos da cidade, mas pelos quais sempre passávamos enquanto tentávamos chegar aos nossos destinos.

Uma das salas do Museu Nacional de Arte Decorativa

Nos últimos anos a cidade desenvolveu uma ampla rede de ciclovias e ciclofaixas (las bicisiendas), que cobre uma vasta área de interesse de cidadãos e turistas.

Bicisienda na avenida del Libertador

Onde não existem áreas específicas para as bicicletas, pedala-se na própria via, com relativa segurança.

Avenida 9 de Julio

Com o mapinha das ciclovias na mão, rapidamente achávamos nosso caminho.

Iglesia del Santisimo Sacramento

Às vezes também nos perdíamos propositalmente, desviando de nosso destino para observar um local interessante.

Um arranha-céu da região central

Bastaria encontrar um local seguro para amarrar as bicis e sair a visitar o museu, café, teatro ou restaurante que desejássemos.

O Museu de Belas Artes

O interessante de visitar a cidade de bike foi que fazíamos o caminho que desejávamos, passando rapidamente pelos trechos de cidade que não apresentavam qualquer atrativo.

Nessa Plaza o colorido da árvore nos fez mudar de direção.
Mas, ao mesmo tempo, parávamos facilmente sempre que fosse interessante observar um prédio, um monumento, um escultura, coisa que seria mais difícil se estivéssemos nos deslocando de carro.
O Torso, de Botero, num dos parques da cidade onde tem uma feira nos sábados

O município tem um sistema público e gratuito de bicicletas compartilhadas para empréstimo, as ecobicis, disponíveis em diversas estações espalhadas pela cidade, semelhante aos sistemas que existem em outras grandes cidades do mundo.

Mesmo assim, para não nos preocuparmos com a logística de pegar e devolver em prazos de uma hora, decidimos alugar bicicletas com a empresa BA Bikes, ficando as bikes conosco durante todo o período que ficamos pela cidade.

El puente de la Mujer, en Puerto Madero

A grande maioria das bicicletas que vimos andando pela cidade eram do tipo simples, sem marchas e sem marcas, para poder parar em qualquer lugar sem medo exagerado de ser roubado.

Outra coisa que nos impressionou foi descobrir que é perfeitamente possível andar de bike pela cidade sem estar “fantasiado de ciclista”, com roupas coloridas coladas no corpo, mas sim vestidos como “pessoas normais” (risos).

O Teatro Colón

Todos os nossos deslocamentos foram feitos exclusivamente de bicicleta como meio de transporte, carro somente para ir e vir do aeroporto.

O Teatro Colón, no intervalo do espetáculo.

Museus, Cafés, Restaurantes, Teatros e parques — tudo de bike.

O teatro, ao final do espetáculo, onde chegamos, é claro, de bike.

Nesse período não tivemos qualquer situação que nos colocasse em risco, como as tradicionais “finas” e “cortadas” tão típicas no trânsito brasileiro. Pelo contrário, vimos bastante respeito no trânsito.

Detalhes de esculturas no Museu Nacional de Arte decorativa

Saímos para fazer um passeio e acabamos descobrindo na prática uma outra forma de usar a bicicleta, não somente como atividade desportiva ou lazer, mas como meio de transporte verdadeiro e útil para grandes centros urbanos.

Centro Cultural Néstor Kirchner

Os dias estavam ensolarados, a temperatura estava agradável e a cidade estava linda.

Tudo saiu perfeito e retornamos felizes para o nosso lar.

A Casa Rosada

Mas, como diz a letra daquele belo e profético tango de Eladia Blázquez, “Siempre se vuelve a Buenos Aires”.

Esta ciudad está embrujada, sin saber…
por el hechizo cautivante de volver.
No sé si para bien, no sé si para mal,
volver tiene la magia de un ritual.

Esperamos poder voltar muitas outras vezes, e de bike.

 

 

Links úteis:

Aluguel de bikes: BA Bikes

Bikes públicas da prefeitura: Ecobici

Escrito por

Natural de Florianópolis, onde vivo por opção e sou ciclista por diversão. Através da bicicleta encontrei uma forma de ver o mundo e me manter saudável.